O amor de Deus

Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. (1 João 4.10.)

Quão grande amor nos concedeu o Pai, que nos deu o seu único Filho em propiciação pelos nossos pecados. Ele chama à existência as coisas que não existem.

Eu sempre quis ser mãe; desde solteira, sonhava em ter muitos filhos. Logo que me casei, eu e meu marido fomos surpreendidos por uma gravidez que não durou muito tempo.

Fiz vários exames e tentei novamente, mas não deu certo. Tentei a terceira e a quarta vez e, então, foi constatada uma falha genética. Meu organismo expulsou o bebê porque ele nasceria com muitos problemas e, sem os órgãos vitais, viveria poucos dias ou horas. Diante disso, resolvemos nos agarrar a este amor que pode tudo, não falha, não muda e chama as coisas que não existem à existência. “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” (Mateus 6.6). Aleluia!
E foi assim que fiz todos os dias, louvando e agradecendo a Deus pela minha cura. Fui curada, Ele chamou à vida os meus filhos, que ainda não existiam e, talvez, pelo diagnóstico médico, nunca viriam a existir. Meus filhos são lindos e saudáveis, para honra e glória do Senhor.

Amados, agarrem-se a este amor que foi revelado em Jesus. Ele não tem limites, ele pode tudo. Nós podemos vencer o mundo porque a nossa fé é a vitória que vence o mundo (1 João 5.4).

Rosileide Alves da Silva